Chegamos ao tão esperado ano de 2020. E, embora ele não seja tão futurista como muitos previam décadas atrás, já conseguimos muitos avanços tecnológicos significativos. Temos computadores poderosos que são tão pequenos quanto relógios, reconhecimento facial, e softwares que conseguem realizar tarefas melhor que nós mesmos, como os chatbots.

Se a sua empresa ainda não implementou essa tecnologia importantíssima, está na hora de pensar um pouco mais sobre isso.

O que são chatbots?

Em sua essência, são programas de computador que simulam conversas e interações humanas. Os usuários interagem com o bot por meio de uma interface amigável, como um aplicativo de mensagens, e se comunicam de maneira similar a que conversariam com um humano.

“Os chatbots interpretam e processam as palavras ou frases dos usuários e fornecem uma resposta instantânea pré-definida” o BotsCrew explica. “Eles habitam plataformas como Facebook Messenger, Whatsapp, Skype, Slack, ou mesmo o próprio site da empresa.”

Confira alguns exemplos de chatbots:

Rule-based chatbots (chatbots baseados em regras):

Esse é o tipo mais simples de chatbots hoje em dia. Através de botões e opções pré-definidas, os usuários conseguem interagir e fazer perguntas. Assim, o bot analisa e coleta dados e entrega uma resposta.

Normalmente, esses bots são utilizados para qualificar leads e direcionar os clientes para a solução adequada. Mas, para outras situações, eles nem sempre são a melhor opção.

Chatbots independentes:

Esses chatbots utilizam Machine Learning, que faz com que eles aprendam a partir de informações fornecidas ou solicitadas pelos usuários.

Os chatbots independentes são treinados para procurar termos e entender palavras-chave e frases específicas. Com o tempo, eles aprendem sozinhos a entender mais e mais perguntas.

Chatbots de Inteligência Artificial:

Esses chatbots são uma combinação dos dois primeiros. Eles entendem linguagem livre, mas também tem um fluxo pré-definido para conseguir resolver o problema do usuário. 

Além disso, esses bots também são capazes de lembrar o contexto das conversas e as preferências dos clientes. Eles podem ir de um ponto a outro da conversa, quando necessário, e podem atender qualquer solicitação dos usuários a todo momento.

Esses chatbots utilizam Inteligência Artificial, Machine Learning e Processamento de Linguagem Natural para entender as pessoas. Esse tipo de chatbot é de longe o mais poderoso e útil para as empresas.

Os benefícios de utilizar os chatbots

É fato que os chatbots são muito interessantes e úteis, mas por que, exatamente, as empresas devem implementá-los em 2020 e nos anos seguintes? 

Confira quatro motivos específicos:

  • Para reduzir as chamadas de atendimento ao cliente. Volume muito grande de ligações? Muitos e-mails? Os chatbots podem reduzir a quantidade de serviços de atendimento ao cliente, uma vez que proporcionam um atendimento muito mais prático e disponível a todo momento. Assim, sua empresa consegue diminuir o tempo gasto para resolver o problema do cliente, além de reduzir os custos.
  • Para aumentar seu alcance. Muitas marcas ainda evitam utilizar muitas plataformas de mídias sociais por medo de não conseguirem acompanhar e se sobrecarregarem. Desse modo, os chatbots permitem que as empresas obtenham mais pontos de contato sem sobrecarregar.
  • Para atingir os millennials. Os millennials gostam de comparar os produtos que desejam adquirir e fazer perguntas antes de realizar alguma compra. Eles também gostam de um bate-papo com a empresa para que possam tirar todas as suas dúvidas. Sendo assim, ter um chatbot permite que você atinja esses consumidores.
  • Para melhorar a eficiência organizacional. O chatbot é uma solução excelente para automatizar os processos e melhorar a eficiência de qualquer negócio.

Esses são só alguns exemplos das vantagens de implementar os chatbots. Sua empresa pode ainda encontrar outros benefícios, dependendo do setor que ela se encontra, quem são seus consumidores e/ou onde o seu negócio precisa de assistência.

Como começar a utilizar os chatbots?

Se você não tem nenhuma experiência utilizando chatbots, eles podem parecer um pouco intimidadores. Porém, implementar essa tecnologia é muito mais fácil do que parece. Aqui vão alguns pontos que precisam ser levados em conta:

1. Considere suas prioridades

Quais são as principais necessidades e prioridades da sua empresa? Não utilize chatbots somente por usar. Se você simplesmente jogá-los sem saber para que você precisa deles, eles não irão acrescentar nada no seu negócio. Estabeleça suas prioridades e garanta que você vai se beneficiar dessa ferramenta.

2. Experimente os chatbots do Facebook

Se você quer utilizar chatbots e testar como eles funcionam para o seu negócio, o Facebook é um ótimo lugar para começar. Ele tem recursos de chatbots incorporados a página da sua empresa, que opera dentro do Facebook Messenger e permite que os usuários façam perguntas e recebam respostas.

“A ideia é automatizar tarefas humanas para tornar os processos mais rápidos e mais acessíveis” o Active Group Web explica. “Como as conversas são via Facebook Messenger, os usuários podem continuar as conversas depois, mesmo saindo da sua página. Os chatbots também podem enviar atualizações. É uma alternativa melhor que o feed de notícias para alimentar leads.”

3. Crie seu próprio chatbot

Se você achar que os chatbots são eficientes para sua empresa, considere criar os seus próprios bots para preencher o seu site ou os seus canais de atendimento ao cliente.

Embora o custo seja alto, criar o seu próprio chatbot gera vários benefícios. Ele permite que você personalize totalmente a experiência do seu consumidor, crie uma persona única e aprimore de acordo com os objetivos da sua marca.

Concluindo…

Os chatbots não podem fazer tudo, mas eles são altamente eficazes e úteis e possuem uma grande variedade de aplicações. Se sua empresa procura melhorar o alcance, a eficiência e a escalabilidade, considere implementar essa tecnologia. Depois que você entender como eles podem melhorar o seu negócio, será difícil viver sem eles.

 

Gostou deste artigo? Não deixe de compartilhá-lo em suas redes sociais!

 

Deixe uma Resposta